sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

O melhor pior Natal da vida!


Dia: 24/12/2009
Horário: 9h30
Acordei muito enjoada. Mas, até então, para uma pessoa com gastrite, é quase normal. Michelle, você tomou remédio ontem, ele faz digestão, só pode ser fome.
Comi algumas bolachinhas. Nada. Deitei, dormi. Sai. Voltei quase morrendo. Não deu outra. Comecei a passar mal.
Os enjoos continuaram e aumentaram durante o dia. Logo que começou, eu já senti como seria o clima natalino para mim este ano. Mas, até ai, como eu já disse, para uma pessoa com gastrite, isso é 'fichinha'. Aguentaria bem. Além do que, é Natal! Jesus morreu por nós na cruz, porque eu não posso aguentar um enjoo e celebrar essa data tão linda?
Horário:21h30
Casa da titia. Primas. Crianças. Quatro, para ser mais exata.
Vovó começa a passar mal. Mamãe também. Ali eu vi, de vez, meu Natal indo, literalmente, pelo ralo.
Chegando em casa, nada de chegar meia noite. Vamos trocar os presentes!
Todo mundo feliz, todo mundo com seus presentes. Todo mundo adorou tudo! Eu, particularmente, já havia esquecido como era ganhar tanto presente. ADOREI! Tirando os milhares de chocolates que eu ganhei e estão a espera da minha melhora total.
Mesmo com tudo o que passou, eu sentia-me feliz por ter visto minha familia reunida, minhas primas, minhas amigas que eu tanto amo. Por ter ido à missa e celebrado essa data com a pessoa mais importante nela: Jesus. Tudo isso me aliviava.
Dia:25/12/2099
Acordei melhor. Bem melhor. Sem comparação. O que atormentava,agora, era uma dor nas costas chata, mas nada muito ruim.
Dia todo na cama. Tenho completa noção de que passar o dia de Natal assistindo House não é a melhor coisa do mundo, mas foi o que eu fiz. O sentimento de frustração por ficar em casa, de cama, sem poder comemorar, tomou conta. Até o momento em que, com uma 'luz piscando', vi que havia uma mensagem no msn. Acho que nunca fiquei tão feliz com uma. "Já mandei nossos nomes para a lista. Mais tarde eu te ligo". Mais ou menos assim.
Oba! Sair! Será?
Sim!
Sair, dançar, acabar. Ter as melhores amigas no mundo dá nisso. Um Natal que tinha tudo para ser horrivel, acabou fechando com chave de ouro!
Por isso que eu digo que minhas amigas são meu tesouro. Todas elas. Todas animaram meu Natal. Num dia ou no outro; de uma maneira ou de outra!

Feliz Natal atrasado para todos!

Para terminar, uma fotinho dos meus presentes:

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Constatações

Sabe aquela idéia de que as pessoas sempre estão mais preocupadas com a vida dos outros do que com a própria e que sempre olham mais o defeito do que está ao lado, do que o próprio? Pois é. Eu já acreditava nisso, mas sentir na pele é bem pior.
Engraçado como, quando as pessoas não te entendem ,elas ficam, de toda maneira querendo te mudar, te ver coisas que não existem, mudar sua opinião e apontar defeitos os quais somente seus opostos existem.
Com essas pessoas, é impossível tentar um diálogo sincero, no qual pontos positivos e negativos são apresentados. Quando só um lado é mencionado, a balança nunca fica equilibrado e nada é totalmente verdade.
Agora, por outro lado, quando a conversa é com alguém que, mesmo não entendendo, te ouve, te apoia e , pelo menos tenta te apoiar, a coisa muda de figura.
São com essas pessoas que você consegue ser totalmente verdadeira. Com elas você acaba sempre discutindo, mas a discussão sempre acaba bem. Os animos se alteram, mas quando voltam ao normal, vocês se entenderam, e, possivelmente, se a discussão for a respeito de algo dentro da relação - seja ela qual for - essa estará mais forte.
Eu já havia constatado isso uma vez - ou várias, mas sempre com uma única pessoa. Mas agora constato que isso é real.
O meu pedido para o papai noel é que essas primeiras pessoas nunca vençam as segundas. Que as verdadeiras amizades superem os obstáculos, sejam eles quais forem. Que os amigos se aceitem, mesmo que não concordem com a atitude do outro. Que apoiem ,que mostrem os erros, mas também os acertos. Que fiquem felizes pelas conquistas, pelas felicidades.


PS:Esse post é quase um desabafo e muitos nem entenderão. Mas, em alguns momentos, mesmo não sendo uma escritora, as palavras pedem para serem escritas!

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

TCC e formatura!


Com a alma lavada, eu volto hoje para falar a respeito do fim de um ciclo muito importante para mim: a faculdade.Depois de 4 anos de sofrimento, esse ciclo começo a se encerrar no dia 10/12, com algo muito aguardado por todos: o TCC. Um dia sofrido, mas de muita alegria. Um 9,5 com gostinho delicioso de 10. E o sentimento de dever cumprido, de ter feito o meu melhor. Isso é o que realmente importa!
Para fechar com chave de ouro, na última sexta-feira foi a nossa colação. Emocionante. Ver todos os colegas de beca, juntos, formando-se. Ouvir seus professores falarem a respeito da sua sala, em especial, a Professora Sylvia, que fez um discurso lindo e como vente - que me levou às lágrimas! -, deixa qualquer um cambaleado. Ver seus amigos e parentes felizes e orgulhosos de você, não tem preço! Foi maravilhoso!
No sábado, veio a festa! E que festa! Com direito a mar, muitasss fotos, muita comida e muitos sorrisos. Diversão total! Com as pessoas mais queridas. Com os colegas de classe. Tudo de melhor que poderíamos querer.
Para vocês, deixo algumas fotinhos desses três dias tão importantes para mim!

Plaquinha da entrada!


Apresentando!


Professora Elita, minha banca examinadora.


Sis, minha convidada ilustre, e a Anna, minha orientadora.


Formandos 2009 - Letras!


Comemoração pós-colação


Gisa, Ci e Nath, comigo na festa!

Eu e Iasmin, no começo da festa!

domingo, 20 de dezembro de 2009

Feeling unknown

Decepção? Raiva? Angústia? Preocupação? Pena?
Nothing...and everything!
Vazio.
Perda? Tristeza? Confusão?
Nothing...and everything!
Vazio

When you think that you found a person that you can trust for everything....this person put you donw and the feelings change.

Reflexão do dia: Uma gota é suficiente para fazer um copo cheio transbordar.

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Fail...

Eu juro que em dias como hoje, eu não me entendo e não entendo o porque de estar aqui.
Sometimes, I just wanted isn't here; just be on another place, anyone.
Mas eu sei que não é possível, sei que não é verdade, que não acontece.
Why am I live? Sometimes, I just wanted not born.
Talvez se uma outra Michelle tivesse nascido, tudo fosse melhor.
Maybe. I don't know.
Nós nunca podemos saber como tudo seria se o que aconteceu fosse, de alguma maneira, diferente.
I just wanted be more, be better.
Em dias como hoje eu me questiono: How can I be better? What can I do?
Por que,por mais que a gente tente, por mais que a gente deseje, do fundo do coração, ser melhor, ser bom, dar alegria para as pessoas, a gente simplesmente não consegue?
I can't do it. I can't be more than I am. I'm only it. Nothing more, nothing less. Fortunatelly or Unfortunetelly.
Sabe aquele disco arranhado, que cisma em tocar a mesma melodia, desengonçada, desafinada, pulada, com os meus erros de sempre? I'm like this. I'm a CD with the same mistakes of always. I don't like this, but...
Eu sou assim. Feliz ou infelizmente. Nada mais, nada mesmo. Somente isso.
I love my life....It's the best thing to continue be living...Continuar vivendo...just like this... One day, the thing will be better. O mundo será melhor, a vida será melhor, eu serei melhor.
Hope.


terça-feira, 24 de novembro de 2009

Sou um milagre - Padre Marcelo Rossi

Nunca houve noite que pudesse impedir
O nascer do sol e a esperança
E não há problema que possa impedir
As mãos de Jesus prá me ajudar

Haverá um milagre dentro de mim
Vem descendo um rio prá me dar a vida
Este rio que emana lá da cruz, do lado de Jesus

Aquilo que parecia impossível
Aquilo que parecia não ter saída
Aquilo que parecia ser minha morte
Mas Jesus mudou minha sorte
Sou um milagre e estou aqui

Usa-me, sou o teu milagre
Usa-me, eu quero te servir
Usa-me, sou a tua imagem
Usa-me, ó filho de Davi

Aquilo que parecia impossível
Aquilo que parecia não ter saída
Aquilo que parecia ser minha morte
Mas Jesus mudou minha sorte
Sou um milagre, e estou aqui

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Ontem foi um dia de reflexão. Durante uma conversa, muitas questões surgiram e ficaram na mente, montando um debate lá dentro. Com elas, acabei refletindo sobre diversas coisas, especialmente sobre o que ocorreu esse ano.
Se eu tivesse que defini-lo numa única palavra, com certeza seria “crescimento”. Pode parecer que não, mas amadureci bastante e aprendi coisas as quais eu devia ter aprendido há tempos.
Esse foi um ano muito importante para mim. Eu já sabia que seria, logo que ele começou, por causa da faculdade. Último ano, estágios, TCC, formatura...tudo isso significa muito na vida pessoal e profissional de qualquer pessoa. Mas eu não esperava que tantas coisas mudariam.
Acredito que tudo começou com o meu emprego. Ter que passar o dia todo fora de casa, trabalhando, tendo que cumprir meus horários se que ninguém falasse, tudo isso já começou a mexer comigo. Somado a isso veio minha pequena “independência financeira”. Claro, eu não me sustento com o salário que ganho,mas,com certeza, eu fui obrigada a rever alguns conceitos e a ter mais responsabilidade para gastá-lo da forma correta e me organizar para conseguir pagar as contas que EU fazia, coisa que nunca ocorreu com tanta força. Não ter que depender de mãe ou avó para sair, comprar uma roupa, ou qualquer coisa assim, é um salto e tanto!
Outra coisa que afetou bastante, na maioria das vezes, positivamente, esse meu “processo de mudança”, foram as amizades. Algumas apareceram, outras se afastaram, mais algumas se fortaleceram. Com todas elas eu cresci. Até com as que se afastaram, porque com essas eu aprendi a não mais ser cega, a não mais fazer tudo e confiar cegamente. Com as que nasceram agora, eu vi o que é uma conversa sincera, o que é poder realmente contar para qualquer hora e tive a certeza de que amizade é mais do que confiar em alguém, é entender e aceitar. Com as que se fortaleceram, pode ser que, em alguns momentos, elas não parecessem assim, mais fortes. Mas,para mim, esse é o sentimento. A prova é que, mesmo com os obstáculos, com as “pedras no caminho” elas continuam ali, presentes, dividindo momentos bons e ruins. Com todos eles, aproveitei todos os momentos, aprendi com choros e sorrisos, brigas e comemorações, conversas de dia inteiro e de minutos, olhares e palavras, sentimentos, abraços...com o estar, seja pessoalmente ou virtualmente. Poder tê-los, saber que existem, é a melhor coisa que existe.
A minha relação com todos – e, consequentemente, comigo mesma – mudou. Os que me conhecem a mais tempo percebem isso, especialmente minha família, que, mesmo não querendo, com certeza, foi, é, e sempre será a mais afetada por tudo isso. Os sinais são extremamente visíveis e,claro, eu os observo e aprendo com eles, também. Aprendo a equilibrar, a ponderar, a conversar, a compensar. A SER família. Esse é um aprendizado muito mais difícil do que eu poderia supor. É sofrido,também, mas é especialmente gratificante quando você percebe, mesmo que por um momento, acertou em algo, mesmo sabendo que, provavelmente, você errará num próximo passo. Como diria a música do grupo Anjos de Resgate: acredita, nos momentos mais difíceis da vida, eles sempre estarão por perto, porque só sabem te amar.
O meu processo ainda está no início, então, tudo é mais complicado agora, tanto para mim, quanto para quem está a minha volta. Paciência. Esse é um dom que eu tenho procurado exercer, nem sempre com muito sucesso. Tudo tem seu tempo. TUDO.
Hoje eu ainda estou, um pouco, “anestesiada” pelo remédio, o que, ontem, deixou-me mais sensível do que o natural, levando a todas essas reflexões, a todo esse turbilhão de emoções que, em quase todos os momentos, é tão forte que eu não consigo conter. O ano está acabando e um novo ciclo começa. Esse, de agora, foi o início de um processo de transformação que ainda perdurará por algum tempo. Eu acredito que a pior fase está passando, e isso me dá um alívio e um orgulho tremendo. Que venha o novo ciclo!

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Meus trigêmeos!


Apresento-lhes meus trigêmeos - ou pelo menos dois deles, pois um foi separado dos irmãos quase que logo após o nascimento. Eles passaram poucas horas juntos: tiveram que fazer uma cirugia de emergencia e, logo após, foram separados, feliz ou infelizmente.


Acho que esses são os únicos filhos que eu senti uma felicidade enorme ao entregá-los para adoção. O sentimento de alívio e leveza é enorme e indiscritível.

Para quem ainda não entendeu o trocadilho, não, eu não tive três filhos. Ou quase. Esse é o meu TCC, impresso e encadernado, prontinho para ser entregue. Na verdade, já foi. Ontem. Ainda bem.

Os que acompanharam esse processo - ou pelo menos parte dele, normalmente, a pior, a fase final - sabem o quão dificil foi. Minhas crises, meus estresses. Minhas falas repentinas e repedidas a respeito do duplo, da Heloisa e de outras coisas assim. Das minhas "brigas" com a minha orientadora. Meus debates sem pé nem cabeça.

Mas,também, presenciaram os momentos de alegria. As descobertas, a felicidade em perceber uma ligação nova. A felicidade em terminar uma análise, um capítulo. O meu encontro com a Heloisa e, depois, minhas conversas com ela por e-mail. Os meus poucos elogios recebidos, mas que valeram demais. E,claro,mais do que tudo, a entrega do TCC.

A esses, que viveram meus momentos de alegria e tristeza, meu muitissimo obrigada! Eu sei que nomear pode ser uma armadilha criada por mim para mim, mas eu tentarei. Perdoem-me se faltar alguém mas, alguns, precisam ser mencionados, por vários motivos e como, no TCC, os agradecimentos devem ser curtos e discretos, não foi possivel conter o nome de todos. Então,sintam aqui a minha homenagem:

Às minhas queridas companheiras virtuais, Amanda e Normanda, pelas diversas e longas conversas sobre Bones e sobre vários outros assunto. Pelas levantadas de humor nos dias das minhas crises e por sempre terem uma palavra para ajudar. Eu realmente não sei o que seria das minhas crises sem as nossas conversas!

Às minhas sempre companheiras Giselle e Cibele que, por mais que eu tenha ficado mais distante esse ano - e aqui vai, também, meu pedido de desculpas às vocês, especialmente pelas "mancadas" - estavam sempre lá, torcendo por mim, esperando com um sorriso, um abraço e uma palavra de apoio. Obrigada por continuarem acreditando em mim e na nossa amizade.

Aos meus colegas da faculdade que, de uma forma ou de outra, ajudaram-me muito, no TCC ou na vida, a crescer, a evoluir, a amadurecer. Meu muito obrigada especialmente a Rafael, Iasmin, Valéria e Thamires.

À minha queridissima irmã Amanda pela atenção e pelo apoio diário. Pelas "saídas" salvadores. Pelas conversas enorrrmmmeesss sobre tudo e as quais semprrreeee me animavam. Pelo entendimento e o carinho que sempre dedicou a mim!

À minha companheira de todos os dias, de todas as conversas, de todas as saídas. A que mais me entede, que mais divide os problemas, que sempre me escuta. Que nos meus momentos de super crise, largou tudo para conversar comigo. Que mesmo cheia de problemas, cheia de confusões sempre esteve ali, pronta para me ouvir e,acima de tudo, me entender, compreender e aceitar. Como ela diz, a nossa amizade é baseada na aceitação. Cris, como eu já disse diversas vezes, com você eu me sinto acompanhada, não me sinto sozinha nos meus problemas. Fora que eu sempre vejo como os meus problemas são pequeninos. Muitooo obrigada por tudo, especialmente pela sua amizade!

Aos meus amigos Fellipy e Nath que, mesmo distantes, são importantes para mim só pelo simples fato de existirem e serem meus amigos. E continuarem lá, mesmo depois de tantos anos e tantas distancias, idas e vindas. Esses são dois que mesmo que eu não os veja por anos,vai ser como se eu os visse todos dias.

Por fim,mas não menos importante,aos que também estão no meu TCC: à Deus, à minha família e a três pessoas que ajudaram muito na minha vida academica - não só,claro!: Andrezza, Silvia e Anna Rita, minha queridissima orientadora.

Obrigada a todos!

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Hoje eu estou me sentindo péssima por dentro. Numa divisão estranha, que nem eu mesma sei definir. Ao mesmo tempo que eu estou super contente, depois de uma bela caminhada na praia e um terapia-conversa maravilhosa com a Cris, eu estou super chocada,triste e desapontada comigo mesma.
Como eu consigo magoar uma pessoa que eu gosto tante,sem ao menos saber que estou fazendo? Engraçado que,por mais que eu já tivesse noção do quanto ela é importante para mim, o quanto a sua amizade muda a minha vida, hoje eu percebi que eu me importo muito mais do que eu imaginava com ela. Ao ponto de chorar, de, até agora, ter lágrimas nos olhos, no momento em que percebi o que de fato havia ocorrido.
Acho que eu me sinto mais idiota por saber que o que ocorreu não era, de maneira nenhuma, o que eu queria que ocorresse. Eu NUNCA faria com ela, o que eu tanto reclamo que fazem comigo. Para mim,tudo tem seu tempo. Ultimamente,devido a correria, eu aprendi a não desperdiçar um segundo sequer e descobri que, mesmo correndo, é possível fazer várias coisas em um mesmo dia.
Enfim,acho que esse sentimento de idiotice,de revolta comigo mesma, vai durar um bom tempo. Mas serviu para eu aprender a tomar mais cuidado com as minhas ações e palavras.
Sem citar nomes, quem está envolvido nessa situação sabe, e sabe que o meu pedido de desculpas é mais do que sincero. Perdão!

domingo, 1 de novembro de 2009

Today's fortune

O meu post anterior fez sucesso. E eu amei todos os comentários. Chorei horrores com todos - já disse que estou sensivel essa semana! Mais do que o normal.
Eu sempre esqueço de ler a "sorte do dia" do orkut. Mas hoje ela me chamou a atenção e me fez refletir, mais um vez, sobre a amizade. Ela era a seguinte:

Today's fortune: A friend is one who knows you and loves you just the same (Um amigo é que te conhece e ama mesmo assim)

Essa frase me fez lembrar do real sentido da amizade e de como, nesse ano, especialmente, eu pude compravar que é exatamente assim que acontece.
Os meus amigos de verdade, aqueles que estão ali,a qualquer hora, que você grita e eles te escutam, até mesmo por pensamento, esses me conhecem de frente para trás e, mesmo sabendo como sou, com minhas doideiras e defeitos, estão ali me apoiando, ajudando-me a seguir em frente. Eu sou tão grata a todos eles, pelas maravilhas que fizeram por mim. Podem não perceber, ou acreditar, mas todos eles são muito importantes para mim. Muitos fizeram uma diferença enorme na minha vida esse ano. Mudaram-a para muitoooo melhor! Alguns sabem, outros nem tanto, mas todos me ajudaram demais esse ano,mais do que nunca. Seja por ações, palavras, gestos, sentimentos...
Mais um vez, muito obrigada a todos vocês!

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Amigas!

Depois de tempos sem postar, mais uma vez, um post sobre amizade no blog da minha amiga Normanda me incentivou a voltar. Amiga, obrigada!
Lá, ela escreveu sobre uma amiga, a qual a atura e com quem se encontrou hoje. Lendo o que ela escreveu, eu lembrei, detalhadamente, de minhas amigas, das antigas e das novas, das distantes e das próximas, das que eu vejo ou falo quase todos os dias e das quais eu morro de saudades. Todas elas, com certeza, são extremamente importantes para mim, só pelo simples fato de existirem.
Algumas, eu sei que posso contar para tudo, e contar sobre tudo. Algumas, são as minhas salvadoras intelectuais, outras, de animo. Algumas eu falo sobre coisas boas e outras sobre coisas ruins. E há aquelas que eu falo de tudo.
Em quesito de amizade, esse ano foi um ano extremamente importante. Ganhei meus 3 lindos presentes - Cris, Thais e Amanda; renovei laços de amizade, como com a Ci e a Gisa; percebi, com a Nath, que a distância realmente não mata a amizade e a importancia de uma pessoa para nós; tive certeza que pessoas como a Sis, são TUDO pelo simples fato de estarem ali, de você saber que existem e que, quando você conta algo, mesmo que seja de tempos em tempos, sabe que te entende e que parece que sabe de tudo. Eu tive certeza que você não precisa ver, pessoalmente, para ter algum laço de amizade; não consigo mais ver minhas crises de TCC serem superadas sem minhas longas conversas sobre Bones com a Normanda e a Amanda.
Saber que você pode contar com elas a qualquer momento, que elas estão ali, dispostas a largar tudo para te ajudar - como no momento estão fazendo comigo, e salvando minha noite, aliás - isso faz um bem tão grande, mas tão grande, que somente que vive sabe como é.
Para todas as minhas amigas, meu MUITO OBRIGADA! Amo vocês, com certeza!

PS: Normanda, eu também estou bem emotiva essa semana. Deu para perceber, não é? Adorei o seu post e obrigada pela companhia de sempre, via twitter! Adoro nossas conversas!

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Vida

É engraçado como, quanto mais pensamos que as coisas são distantes e não ocorrem perto de nós, mais a vida vem, dá um tapa na sua cara e diz: Olha, eu posso mudar tudo. Está vendo, não é como você pensa!
Engraçado como você imagina qual seria a sua reação diante de algo e, mesmo tendo "certeza" do que faria frente aquilo, não se pode ter certeza até defrontar-se com a situação.
Engraçado como quando você acredita que já ouviu de tudo, alguém vem e te conta algo completamente diferente de qualquer outra coisa.
Engraçado como você julga as histórias, mesmo que inconscientemente, antes de ouvi-las e conviver com os personagens principais dessas histórias reais.
Engraçado como você assiste ou lê uma história super dramática, cheia de idas e vindas, tragédias e tristezas, e acha que aquilo é distante, é somente ficção, e fica completamente sem reação quando percebe que não é bem assim, que aquilo, sim, pode ser uma história verdadeira, extremamente real, e que pode estar acontecendo bem ao seu lado, sem você saber, até o dia em que chega-se ao momento derradeiro, ao estopim de tudo.
Engraçado como, num momento, você acredita que os seus problemas são os maiores do mundo, que nada supera-os, e, no momento seguinte, você sente que são tão pequenos, que chegam até a ser insignificantes.
É, nada disso é engraçado. Mas, se tive uma certeza hoje foi a que tudo o que eu disse anteriormente é verdade e, nesse momento, está tudo dentro de mim, como um furacão que passou e remexeu com tudo, bagunçou de uma maneira estranha tudo o que eu sentia, pensava e tinha certeza. E tudo que eu não sentia, não pensava e não tinha certeza também.

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Tarrafa Literária

Mesmo distante daqui há algum tempo, eu necessitava voltar. Especialmente depois do feriado que teve. Eu precisava falar a respeito da Tarrafa Literária, um evnto maravilhoso que teve aqui em Santos, organizado pelo Zé Luis, da Realejo.
Particularmente, eu achei a ideia interessantíssima desde o inicio. Acho que Santos realmente precisava de um evento desse porte. E, claro, para nós, santistas, isso é muito bom pois, além de movimentar o turismo, também possibilita a aproximação ds autores com os leitores.
Tudo isso já estava bom demais. Só de ter um evento como esse na minha cidade, eu já estava contente,mas, quando soube que teria um debate com Heloisa Seixas e Ruy Castro, ai, tudo ficou muito melhor.
Todos sabem que a Heloisa é a autora do livro que é o corpus da minha análise do TCC. Então, imaginem a minha emoção ao vê-la? E o Ruy é um escritor maravilhoso, marido da Heloisa. Foi muito bom,interessante e emocionante.
No dia seguinte, ainda tive a oportunidade de, mais um vez, ver Milton Hatoum e de conhecer tanto o trrabalho quanto o autor Andre Laurentino. Não o conhecia, mas me interessei demais pelo seu livro, especialmente porque ele trata de um assunto que também está ligado ao meu trabalho. Muito legal.
Enfim, ao organizador do evento, parabéns. Obrigada por dar mais essa oportunidade ao povo santista.





Da esquerda para a direita:

1- Amanda, minha irmã companheira de Tarrafa. Obrigada amiga!
2- Ruy Castro, excelente autor e com um humor maravilhoso.
3- Heloisa Seixas. Preciso dizer alguma coisa?
4- André Laurentino, o mais novo autor da minha lista.
5- Miltoun Hatoum, dentre todos, o mais antigo na minha lista. Sou apaixonada pelos seus livros.






sexta-feira, 31 de julho de 2009

Friends


"Each friend represents a world in us, a world possibly not born until they arrive, and it is only by this meeting that a new world is born." -Anais Nin

quarta-feira, 29 de julho de 2009

A felicidade nas pequenas coisas

Pode parecer clichê, afinal, todos dizem que a felicidade está nas pequenas coisas. Pode até parecer bobo, mas não é.

Eu sempre acreditei que são as menores coisas que trazem as maiores alegrias, mas eu nunca tinha vivenciado tão profundamente isso. Até agora.

Nas duas últimas semanas eu pude perceber isso. Aproveitei cada minimo momento, cada sorriso, cada piada. Tudo. E, mais do que simplesmente me divertir com isso, eu comecei a notar como isso muda a vida. Como um sorriso, uma conversa, podem te dar forças para superar todo e qualquer problema. Como te faz se sentir melhor, mais paciente, mais amoroso, mais feliz.

Eu tenho que dizer que eu também tive sorte nas últimas semanas. Por mais que elas também tenham vindo com algumas tristezas, notícias ruins e preocupantes, graças a Deus, as boas superaram. Ou então, eu que resolvi olhar mais para elas.

Novamente, pode parecer clichê e bobo, mas um olhar, uma palavra, um sorriso, uma conversa, podem, além de te mostrar como a vida é bela e melhor do que imagina, ser, também, a melhor forma de passar o seu melhor para alguém.

Viva as pequenas coisas!

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Feliz x Preocupada

Feliz x Preocupada. É assim que estou nos últimos dias.

Graças a Deus, os últimos dias têm sido cheios de surpresas boas, notícias maravilhosas, tudo somado a minha euforia ainda remanescente do retiro do fim de semana. Mas, ao mesmo tempo, não consigo guardar para mim a minha preocupação com a minha chefe, Tatiana, que, desde sexta, está internada e que, provavelmente, operará entre hoje e amanhã.

É estranho essa história de conviver com dois sentimentos tão opostos ao mesmo tempo. Toda vez que uma notícia boa surge - ultimamente tem sido a mesma: a gravidez das minhas amigas =] - a minha preocupação sobrepõe a felicidade e esta dura somente por alguns instantes. Lógico, a idéia de ter mais uma criança para eu mimar e,como disse a Andrezza, para eu estrragar, está sempre presente, mas a preocupação também não sai de perto.

Então, quem puder, reze e torça e mande energia positiva para a Tati, mesmo vocês não a conhecendo! Obrigada!

terça-feira, 21 de julho de 2009

Voltei...de vez agora. Será?

Voltei! Fiquei com saudades disso aqui. Especialmente depois que comecei a ler o blog "Estou numa..." da minha amiga virtual Normanda.

Aproveitando a minha volta, vou comentar do meu ultimo fim de semana. Fui para o retiro de jovens da minha igreja, e foi ótimo! Tirando o fato de que não me deixaram dormir em nenhum dos dias, tudo foi ótimo. Só descobri (ou melhor, tive certeza) que eu nasci velha. Sim. A minha cabeça é totalmente diferente da deles e a diferença de idade é minima - em alguns casos, só 2 anos. Mas, enfim, fazer o que.

Bom, aproveitando, também, a onda da semana do amigo, devo dizer que uma das grandes maravilhas desse retiro foram minhas amigas.

Foi ótimooo para fortalecer minha amizade com a Cibele(foto da esquerda, na qual eu estou com oculos escuros), que já é minha amiga há anos. Amiga, amiga, mesmo! Para qualquer hora, para qualquer coisa - até para dividir a sua sobrinha comigo! Que venha a Mari para nós mimarmos!. E foi maravilhoso para conhecer melhor a Amanda(foto da direita, com a cruz), que já virou uma querida, e chegou para conquistar meu carinho e admiração. Essa veio para ficar, não adianta. Foi ótimo conhece-la.

Esses ultimos dias foram cheios de noticias. Boas e ruins. Mas a vida continua. O meu cerebro só precisa de um tempinho para absorver tudo. Rezem pela minha chefe, Tatiana. Ela está internada e precisará operar. Que tudo corra bem para ela!

Será que agora eu volto de vez? Acho que sim! Então, até a próxima! Fui!

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Pérolas Absolutas

Finalmente, depois de vários meses de angústia, ansiedade e, principalmente, falta de tempo, eis que eu consegui engrenar de vez minhas leituras de "prazer" e terminei "Pérolas Absolutas". Eu sinceramente não sei o que dizer. É impossível explicar as sensações que este texto transmite. Ao mesmo tempo que eu tiha pena da Lidice/Lídia, eu fica com raiva ou simplesmente não entendia as suas atitutes. A mesma coisa com Sofia. Com a história. Com o narrador. Para mim, um livro bom tem que me dar a seguinte sensação: eu quero que termine logo, para saber o que acontece, mas, ao mesmo tempo, quero que nunca termine, para continuar apreciando o talento do autor e a vida maravilhosa dos personagens. Eles tornam-se companhia.
Bom, eu já falei bastante deste livro. Só mais uma coisa: Quem puder, leia!

Esta na foto é a autora do
livro, Heloisa Seixas

sábado, 18 de abril de 2009

Primas!

















Eu precisava postar as fotos dessas lindas! Minhas priminhas queridas, é tão bom poder ve-las! Amo muito vocês! Parabéns!

segunda-feira, 13 de abril de 2009

Voltei!

Depois de muito tempo(muitooo mesmo), eu resolvi voltar.
Senti saudade de escrever, de ter, mesmo que virtual e imaginavelmente, alguém para me ouvir - ou, no caso, ler.
Falando em ler, vamos recomeçar este quase morto blog pelo meu maior prazer vivo: Livros!
E para acompanhar o momento, vida-morte, aqui estão os meus livros de cabeceira(leia-se, aqueles que me aguardam para o final do ano - pós TCC - , ou, quem sabe, num tom mais otimista, para as férias. Ou então, para a sugestão de algum blogueiro que eu não conheço, mas que li, para as férias de "Bones" que logo logo chegará):

Pérolas Absolutas - Heloisa Seixas

O meu "amor" por Heloisa pode ser definido por uma simples frase: Ela é meu tema de TCC. Ou seja, eu tenho mesmo que gostar do que ela escreve, afinal, conviver um ano, no mínimo, com um escritor e com sua obra, é um relacionamento amoroso intenso.
Mas não, este não é o livro que trabalharei, mas, um dos temas apresentado nestes é o mesmo: o duplo.
"Pérolas Absolutas" é um livro que prova o que está escrito na própria "orelha" do livro: Não se le Heloisa Seixas impunimente. Este, felizmente -ou infelizmente, depende do ponto de vista - eu consegui começar a ler. Na verdade, faltam pouquissimas páginas - no máximo 30 - para terminar, mas o tempo anda curto até para 10 páginas, quanto mais 30.
De qualquer maneira, a forma como ela trabalha a polifonia,
a ruptura temporal e a questão do duplo é incrível! Em alguns momentos é até normal que o leitor se perca, principalmente pela "confusão" de vozes e pelas referências a outras obras e/ou personagens, seja ficcionais ou históricos. Por sinal, estes últimos normalmente referem-se a personagens bilbicos, algo interessante para se refletir, principalmente pela maneira como eles aparecem na obra.
Enfim, essa leitura - como qualquer outra da autora - vale muito a pena! Taí a minha dica.



Dejá Dead - Kathy Reichs

O meu segundo livro "em aguardo" - dentre dezenas de outros - é este romance policial americano. Confesso que nunca fui fã de romances policiais, mas, ultimamente, tanto livros quanto filmes e séries referentes a esse assunto, têm me agradado bastante. Bom parte disso deve-se ao meu mais novo vício: "Bones". Para os que me conhecem e convivem comigo, com certeza esse nome não é novo(falei, é um vício). De qualquer maneira, para quem não conhece, "Bones" é uma série americana protagonizada pela Dr. Temperance Brennan(Emily Deschanel) e pelo Agente Especial Seeley Booth(David Boreanaz) que trabalham juntos, em favor do FBI.
Não vou me estender falando da série - até porque, eu duvido que não volte a falar dela algum dia. Quem sabe, ao inves de livros de cabeceira, eu não faça um post sobre minhas "séries de cabeceira"?
Mas e ai, o que a série tem a ver com o livro?
Bom, primeiramente, uma das produtoras da série é Kathy Reichs, a autora deste livro, que, assim com a Dr. Brennan, foi uma antropóloga forense durante praticamente toda a sua vida. Desta experiencia surgiu a série de livros da qual "Dejá Dead" faz parte. Uma série que tem como personagem principal a Dr. Temperance Brennan, uma antropóloga forense que trabalha com a polícia local, mas que é bem diferente da Dr. Brennan televisiva. Mas o interessante dessa história toda é que a personagem da TV também é escritora e seus livros são protagonizados por uma personagem chamada Kathy Reichs. Divertido, hein?
Este eu não consegui começar a ler, mas li ótimas críticas sobre a autora e sobre ele - que é o romance de estréia de Kathy - e que chegou a ganhar alguns prêmios na época de seu lançamento. Até hoje, ela é uma das escritoras mais bem sucedidas dos EUA.
Quando eu, finalmente, conseguir ler, eu prometo que volto para contar, ok?
Até!