terça-feira, 27 de abril de 2010

O olhar

O olhar. Esse seu olhar que me cativa, que me paraliza, que faz com que todo o meu corpo mude de atitude num momento. Ele está tão perto, lado a lado com o meu. Por que não se cruzam? Por que não se aproximam? Essa é a magia do olhar.
O olhar. Tão próximo e tão distante. Sempre que se aproxima, alguma força me distancia de ti. Reluto, brigo, tento enfrentar essa força por vezes tão forte que chega a ser profundamente dolorida. Mas ela me arrasta, afasta-me. Vejo seu olhar, cada vez mais afastado. Meu coração dói cada vez mais. Por que?
O olhar. Quanto mais perto, mais distante. Tê-lo ao meu lado só aumenta o meu desejo de te tocar, de te encontrar. Mas isso é impossível. Volte. Volte para onde saiu. Volte. Volte para sempre.

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Deus, obrigada!

Deus, obrigada pela minha mãe e vó brigarem comigo todos os dias. É sinal de que elas estão comigo.
Deus, obrigada por minha mãe,mesmo contra a minha vontade, abrir porta e janela de meu quarto para me acordar. É sinal de que eu possuo uma moradia intacta para habitar.
Deus,obrigada por eu ouvir e dizer que a comida está quente/fria, sem sal/salgada. É sinal de que eu tenho diversidade e abundância de alimentos para satisfazer o meu corpo.
Deus, obrigada por brigar com minhas amigas. É sinal de que eu tenho em quem confiar.
Deus, obrigada por me preocupar com elas. É sinal de que eu ainda tenho as pessoas que amo ao meu lado.
Deus, obrigada pela chuva e pelo sol. Se os vejo, é porque, mesmo me atingindo, ainda consigo enfrentar os piores momentos.
Deus, obrigada por eu perder minhas noites na faculdade. É sinal de que eu tenho acesso à educação.
Deus, obrigada por eu reclamar da velocidade da minha internet e da programação da TV. É sinal de que eu tenho acesso à informação.
Deus, obrigada por eu ver, todos os dias, os mesmos lugares. É sinal de que eles ainda estão inteiros.
Deus, obrigada por eu deitar e reclamar do quão quente está a minha cama. É sinal de que eu ainda tenho um lugar seguro para descansar.
Deus, obrigada pelo sentimento de incapacidade e pelas lágrimas que teimam em querer rolarem de meus olhos. É sinal de que meu coração não está duro e que ainda me sensibilizo com a tristeza e o sofrimento do outro e que, acima de tudo, ainda quero ajudar. E, obrigada, acima de tudo isso, por eu lembrar que não preciso ir longe para fazer isso; na minha própria rua existem pessoas que mal têm o que comer ou onde morar.
Deus, obrigada, muito obrigada por eu acordar com o meu cachorro latindo, minha vó falando, ou minha mãe acendendo a luz. É sinal de que, por mais um dia, eu estou VIVA!


Confesso que em dias como hoje, depois de todo o 'testemunho' que ouvi de pessoas que viveram em um lugar desolado pela tragédia - no caso, o Haiti - tudo parece mais bonito e mais triste. Tudo é mais contrastante; tudo é mais REVOLTANTE. Por que somos a minioria que nos revoltamos com a miséria e a injustiça? Por que somos a minioria que se sembiliza com a tragédia pela qual os outros vivem? Deus, ajudai-me a não ser passiva, a lembrar que eu posso e DEVO ajudar aos meus irmãos todos os dias, e não só em dias como hoje.


Os rapazes que deram a palestra para nós hoje estão produzindo um documentário sobre o Haiti. Na verdade, a ideia do documentário surgiu bem antes do terremoto e esse acabou fazendo com que eles mudassem a perspectiva do trabalho. As imagens transmitem um Haiti cujos habitantes dão uma lição de vida que muitos nem imaginam: a ESPERANÇA. O Teaser do documentário está no youtube: http://www.youtube.com/watch?v=DGj9xWmYdU0 . Vale a pena assistir e recomendar. Se o video conseguir passar a sua mensagem, a sua causa, talvez nós, mesmo daqui de nossas casas no Brasil, possamos ajudar essas pessoas tão machucadas - física e psicologicamente.