Pular para o conteúdo principal
São 11h30 da manhã de uma quinta-feira linda. Dia de folga. Um sol maravilhoso bate na janela, trazendo para a cidade um céu azul limpinho, como há dias não víamos. Todos os sinais para comporem um dia perfeito.
São 11h30 da manhã. Não faz nem uma hora que acordei, e já quis desistir. Na verdade, essas palavras saem para que eu não desista. Nesse instante, tudo o que eu queria era poder voltar para a cama, me esconder embaixo das cobertas e torcer, de verdade, para me transformar na Dorothy e um tornado me levar para bem longe, onde tudo seja diferente, onde eu seja diferente.
Não são tantos anos assim de vida, mas aprendi que precisamos evoluir. Precisamos ser melhores, precisamos. Por nós e pelo que nos cercam. Mas como diria Zooey Deschanel, "Change is hard, I should know".
São 11h30 da manhã de um dia lindo, iluminado, quente. E eu aqui, fria, sombria, perdida na minha Escuridão. Querendo achar o sol que eu preciso seguir. Mas cada dia que eu levanto e corro atrás desse sol, ele fica mais distante, mais longe, mais impossível de ser alcançado.
Acordei há menos de uma hora. Por alguns segundos, pensei ser uma pessoa melhor. Pensei que tinha acordado menos egoísta, mas amorosa, mais sincera, mais amiga, mais compreensível. Por alguns segundos, e só. E alguns segundos e depois o mundo desabou. Um mundo inteiro pesou nas minhas costas e eu nem sei da onde ele veio. Eu só sei que ele está aqui e pesa pra caramba.
Às vezes, eu só queria ser como todos. Eu queria saber olhar para mim e esquecer os outros. Queria saber cuidar do que eu quero, do que eu sinto,antes de cuidar dos outros.
Se alguém descobrir a forma para se transformar na Dorothy, ou um lugar onde venda a capa da invisibilidade do Harry Potter, me avisa? Talvez, assim, eu consiga seguir em frente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mais do que amigas, irmãs de coração

A amizade não é feita de palavras, promessas; é feita de ações.
A amizade não é feita de encontros diários; mas de encontros que duram pra sempre nos corações.
A amizade não é feita só de concentimentos; é feita de broncas e brigas também.
Os laços de irmandade não precisam, necessariamente, serem feitos pela família e pelo sangue; eles podem, sim, terem como base uma verdadeira amizade.
Parabéns maninha!
Que Deus esteja sempre com você!

Convivendo com a ansiedade generalizada - um relato

Quando você procura por "Ansiedade generalizada" ou "Crise de ansiedade" no Google, você se depara com textos falando dos sintomas dessa doença, com sugestões de tratamento, com descrições médicas e tantas outras coisas do gênero. Mas o que você não encontra são os medos, as dores, os pensamentos, os sofrimentos; você não encontra a luta eterna, diária, a luta para sair da cama, para viver mais um dia ao invés de sobreviver a mais um dia. E ai você pensa: será que sou só eu assim?

Cada vez que tenho coragem de falar em um grupo aquilo que sinto, aquilo que penso, as vezes em que fiquei travada em um lugar por medo de ir a diante, as crises de pânico, os pensamentos de morte, o sofrimento por decepcionar o outro, o medo do futuro...cada vez que eu tenho coragem de dizer as outras pessoas aquilo que passo, percebo que não, não estou sozinha. Escrever esse texto que para muitos parecerá bobagem é, para mim, uma técnica de salvação. Colocar para fora é meu alívio, e pe…
O segundo semestre de 2016 foi, provavelmente, o tempo mais desafiador da minha vida. Foi o início do meu processo de mudança, e também a época das minhas crises mais fortes. Em poucos meses, perdi as contas de quantas vezes acordei em meio a um ataque de pânico. Mas foi também o momento em que resolvi que aquilo não era normal e que estava cansada de viver presa a tudo aquilo; era hora de mudar, nisso também. A partir de então, fui buscando saídas, técnicas, possibilidades de mudança, de melhora. A vida foi me ajudando e me apontando caminhos; hoje, muitos deles são os que me salvam nos momentos de sofrimento.

O que faço?

1. Terapia - não foi a primeira técnica que tentei, mas é o topo da lista porque hoje sei que não posso viver sem. É meu maior investimento em mim mesma e na minha saúde. Desde a adolescência falava de ir para a terapia, mas cresci em uma família que acredita(va) que doenças psicológicas eram bobagem ou frescura; além disso, sempre tive dificuldade em falar dos meus…